Xico Sá

Modos de macho, modinhas de fêmea & outros chabadabadás

 

O BLOG MUDOU DE ENDEREÇO

Olá, amigos, o endereço deste blog mudou para http://xicosa.blogfolha.uol.com.br

Atualize sua lista de favoritos. No novo endereço podemos recebê-los com melhor visualização e conforto. E posts diários, claro. Um link na nova página permitirá a leitura de todo o arquivo de textos. Leiam, comentem, elogiem, xinguem, corrijam. Um abraço a todos, Xico Sá

Conheça os outros blogs da Folha.com em www.folha.com.br/blogs


 


Escrito por Xico Sá às 22h32

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O almoço de domingo e a sogra perfeita

 

 

Minha sogra, meu tesouro. Domingo, não sei se por causa dos almoços familiares, sempre lembro delas. 

Volto a uma incrível narrativa, aqui na rede da varanda do Capibaribe: “Livro de uma Sogra”(ed.Casa da Palavra), do escriba Aluísio de Azevedo.

Folclorizada no último, espécie de bumba-meu-boi dos casamentos, a sogra sempre foi motivo de chacota e demonização nos lares doces lares.

Óbvio que há um certo e maligno inseticida do exagero pulverizado sobre a mãe das nossas mulheres, mas, convenhamos, as referidas senhoras estão longe de obter o alvará de soltura e de inocência neste debate.

O problema é sério e universalíssimo.

A mãe da cria das nossas costelas age da mesma forma em qualquer parte do planeta. Seja na Suécia, no Crato ou no reino dos esquimós e avatoscos.

Viram, outro dia, aquela iniciativa da Igreja Católica na Itália? Começou a tentar reeducar as sogras em nome da manutenção dos casamentos e da paz nos lares doces lares.

Em alguns rincões do lindo país macarrônico, os sogros são responsáveis por até 50% do desmantelo conjugal dos pombinhos.

Mas existe sim a sogra perfeita. Ela se chama dona Olímpia.

Nunca cheguei a ter uma dona Olímpia, mas, amigo, cheguei perto. Tive ótimas sogras. Algumas delas,generosamente, sempre me alimentaram de bons acepipes e riram das minhas pilhérias e chistes sem graça nos almoços dominicais.

No mínimo, havia um bom tratamento a um romântico que amava suas filhas –com algum risco que isso pudesse implicar, claro.

Dona Olímpia, porém, foi a melhor sogra do mundo, a perfeita, aquela que descobriu a forma de fazer filha e genro felizes. Felizes na medida em que isso é possível em um casório.

A distinta senhora existiu de fato. É a personagem maravilhosa do tal e genial “Livro de uma Sogra”, aquele mesmo autor de “O Mulato” e “O Cortiço”, tão obrigatórios nos bancos escolares.

Com a sua sogra exemplar, no entanto, o maranhense é divertidíssimo. Livraço. Olímpia, ainda no remoto 1895, sabe tanto das coisas que sempre trata de separar, com pequenas viagens e obrigações nada chatas, a sua filha e o consorte.

Tudo para que nunca caiam na rotina acachapante. Quando noivos, reparem que gênia, ajuda a criar histórias que o deixem no suspense amoroso, apenas com boas pontinhas de ciúmes.

Olímpia, que já havia passado por um casamento desastroso, cuida até em reduzir a solenidade da lua de mel, orientando os recém-casados a se embriagarem sem a obrigação do grande coito na noite inaugural.

A consumação do amor, segundo ela, não poderia ser algo burocrático e abrupto, viria num crescendo de beijos e ternuras até uma explosão naturalíssima. Um belo exemplo!

 

Escrito por Xico Sá às 15h37

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Xico Sá Xico Sá, 48, escritor e jornalista, colunista da Folha, é autor de “Chabadabadá – As Aventuras do Macho Perdido e da Fêmea que se Acha” e + 10 livros. Na TV, participa dos programas “Cartão Verde” (Cultura) e “Saia Justa” (GNT).


Twitter Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.