Xico Sá

Modos de macho, modinhas de fêmea & outros chabadabadás

 

Da pátria em chuteiras à pátria do vale-tudo

E eis que a pátria em chuteiras, como dizia o tio Nelson, vira a pátria do vale-tudo.

Os novos heróis do esporte são onipresentes na tv e em todos os eventos bregas ou chiques. Na passarela do Fashion Rio, inclusive.

Outro sintoma que prova a tese da pátria do vale-tudo: Galvão Bueno, o locutor oficial do futebol, passou a transmitir também as sanguinolentas pelejas da UFC, o novo xodó do cordialíssimo povo brasileiro.

Tudo bem, a luta não é ainda, digamos assim, uma unanimidade.

Tem neguinho por ai que duvida até se a porradaria deve ser chamada ou não de esporte.

Até acho que é sim. Esporte sempre teve uma forte ligação com a barbárie. Desde que o primeiro cristão foi atirado aos leões do imperador romano.

 Óbvio que a luta-livre não tem a elegância e a sofisticação do boxe, como escrevi outro dia para o jornal Correio da Bahia.

Jamais chegará ao estilo de um Cassius Clay.

Infame comparação da minha parte. Deixa quieto. Mas aproveito o break para recomendar um livraço: “A luta” (The Fight) de Norman Mailer (ed.Companhia das Letras).

Para quem gosta de boxe, para quem deseja aprender sobre jornalismo literário, para quem aprecia a dança da vida.

Relata o duelo pelo título mundial dos pesos pesados entre o desafiante Muhammad Ali e o então campeão George Foreman. Zaire, 1974.

A pátria do vale-tudo de hoje desconhece tal beleza.

Mas há quem defenda sim, solenemente, que a pancadaria da UFC é esporte fino, coisa de luxo.

Os ingressos, no Rio, já bateram na casa dos R$ 5 mil. Ronaldo Fenômeno e Eike Batista, para citar apenas dois caras aperreados na vida, são símbolos desta nova torcida.

Como já cobri muito, como repórter, até briga de galo e de canário, deixo o veredito para vocês, amigos leitores. É esporte fino ou não é?

Há quem discorde com toda força e questione inclusive a sexualidade dos lutadores. Como o cineasta e cronista Arnaldo Jabor: “UFC é uma mistura de viadagem com sangue”.

Pegou pesado o diretor de “Eu sei que eu vou te amar”?

Pegou. Mas não está isolado nas cordas da opinião o comentarista global. Conheço muita gente que pensa o mesmo. É uma leitura freudiana que merece ser colocada na roda sim senhor. Ao debate livre, pois.

Como eu sou fã mesmo é da pole dance, pela beleza estética e principalmente pela sua origem nos cabarés e lupanares, aqui me despeço neste sábado de combate.

O ringue é de vocês, sensíveis leitores.

Escrito por Xico Sá às 18h16

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Razões para amar ou odiar SP

 

E assim abrimos os trabalhos comemorativos dos 458 anos da Babilóki, como diria meu amigo Arnaldo Baptista, por supuesto.


10 motivos para amar SP

 

- A elegância imbatível das suas meninas. O mano Caetano errou feio em “Sampa” ao chamar a atenção para uma tal deselegância discreta.

 

- A noite paulistana, apesar da tentativa kassabista de exterminá-la. Aqui vemos o Baixo Augusta como jardim dos caminhos que se bifurcam -todas as tribos, santas & putas.

 

- Os melhores garçons do universo. Pena que muitos restaurantes não repassam a estes heróis freudianos os 10% na íntegra.

 

- A segunda-feira quando o Corinthians vence no domingo. O café sai mais quente e a cerveja mais gelada.

 

- A arte de rua. A maior galeria a céu aberto do mundo. Apesar da falta de noção da prefeitura, sempre passando a borracha ou a cal em obras quase primas.

 

- A rima rara de Max B.O. e o eternamente moderno Tatá Aeroplano.

 

-  Caldo de cana com pastel. A feira é a instituição que funciona melhor na cidade.

 

-  O metrô.

 

-  As cantinas roots do Bixiga.

 

-  Os “baianos” de todos os Estados do Nordeste.

 

 

10 motivos para odiar SP

 

- O Kassab, o alcaide, essa espécie de Jânio Quadros sem álcool, que pouco faz e muito proíbe.

 

- O trânsito, óbvio, que anda na velocidade dos tílburis do Rio de Janeiro de Machado de Assis, século XIX.

 

- O preço do táxi para Cumbica.

 

- Os assaltos nos restaurantes da zona oeste. Às vezes pelos bandidos, às vezes a la carte mesmo –pelos próprios donos.

 

- Os enrustidos brutamontes que batem em gay na Paulista.

 

- O metrô no começo da noite.

 

- A tapioca que está virando pizza com leite condesado e tudo.

 

- Gente da Oscar Freire achando que isso aqui é New York, quando sempre estivemos mais, gracias a Diós, para Ciudad do México.

 

- A fila.

 

- A polícia.


E você, meu prezado leitor, e você, minha estimada leitora, o que amam e o que odeiam nesta Babilônia?

Escrito por Xico Sá às 15h19

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Decálogo para um homem que é homem

Da série permanente "educação sentimental para jovens mancebos" - tópico número XIII:

1) A saudade é o genérico do Viagra.

2)) O que as mulheres querem de nós? Uma mistura de lenhador e homem sensível ao mesmo tempo.

3) Homem que é homem troca de sexo, mas não troca de time.

4) Homem que é homem não sabe a diferença entre estria e celulite.

5) Da costela de Clint Eastwood Deus fez o macho-jurubeba; da costela de David Beckham, Deus fez o metrossexual.

6) Só é possível filosofar em parachoquês: um homem sem chifres é um animal desprotegido.

7) Receita para cavaleiros aflitos: quando a vida dói, drinque caubói.

8) O macho brasileiro hoje é um macunaEmo: preguiçoso e chorão

9) Não há canalha maior e mais nocivo do que o homem sincero.

10) A conquista amorosa é como uma luta de boxe: o bonito vence por nocaute, o feio ganha por pontos.

 

Escrito por Xico Sá às 11h25

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

O velho Clint salva o macho da extinção

 

 

E o mundo não se acabou.

O crepúsculo do macho-jurubeba, inimigo público declarado dos novos costumes metrossexuais, foi adiado mais uma vez.

O responsável pela façanha foi, para variar, o velho Clint, Clint Eastwood, 80, que na semana passada vetou o uso de photoshop na capa da reviste “M”, do jornal francês “Le Monde”.

Só o Peréio e o Clint salvam.

Homem que é homem não pode se envergonhar das rugas que fizeram residência nos seus rostos.

Outro que também se revelou adepto do jurubebismo, para nossa surpresa, foi o físico britânico Stephen Hawking, que completou ontem 70 anos.

Com dois casamentos e três filhos, revelou que pensa mais nas mulheres do que nos mistérios do buraco negro e outros enigmas do cosmo. Bravíssimo.

Além do Clint, do Peréio e agora do Hawking, especula-se sobre a existência de uma meia dúzia do gênero no Brasil.

No Crato, por exemplo, existiriam dois, ali na subida da serra a caminho do Exú.

Há quem diga ter visto outro na Mooca, SP. Um quarto teria catalogado na Bomba do Hemetério, no Recife.

Você conhece algum?

Ajude-nos a localizá-lo. Campanha de utilidade pública para salvar estes seres da extinção.

Falo do macho roots, conservado em barris de carvalho, o homem ainda com todos os seus defeitos de fábrica, todos os componentes em ordem.

É, ainda há esperança, velho Clint. Os machos ainda não dançaram de vez, como dizia o título daquele romance de mr. Norman Mailer.

Escrito por Xico Sá às 15h45

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Xico Sá Xico Sá, 48, escritor e jornalista, colunista da Folha, é autor de “Chabadabadá – As Aventuras do Macho Perdido e da Fêmea que se Acha” e + 10 livros. Na TV, participa dos programas “Cartão Verde” (Cultura) e “Saia Justa” (GNT).


Twitter Twitter RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.